Cursos de Escrita Online


> Notícias sobre leitura
> Cursos
> Proposta Pedagógica
> Perguntas e Respostas
> Contato


cursos desenvolvidos pela

Dicas de Escrita

Sextou, segundou

Sextou e segundou exemplificam um fenômeno linguístico de criação de novas palavras conhecido como neologismo.

Há dois tipos de neologismos. O primeiro, conhecido como neologismo lexical, consiste em formar palavras novas a partir de outras já existentes. Exemplo: sextou, verbo derivado de “sexta” (feira), que passou a ser empregado para dizer que chegou a sexta feira, que é dia de sair com os amigos, de ir a um happy-hour, de descansar, entre outros sentidos.

O segundo, conhecido como neologismo semântico, consiste na atribuição de novos sentidos a palavras já existentes. Exemplos: bico e corneta.
Exemplos: Muitos desempregados sobrevivem de bicos. Apesar da corneta, continuou defendendo o time.

Sextou e segundou, palavras que têm origem na linguagem mais informal, vão ganhando espaço inclusive na linguagem de repórteres para anunciar o fim e o início de semana, respectivamente. Como outros neologismos, o emprego dessas palavras vem constituindo um modismo em linguagem. As redes midiáticas são as principais responsáveis pela divulgação de modismos. Alguns desaparecem depois de algum tempo; outros acabam se incorporando ao léxico da língua.

O processo de formação de novas palavras é da própria natureza das línguas que, por meio de elementos já existentes (radicais, prefixos e sufixos), possibilitam infinitas combinações das quais resultam novos sentidos.
Há dois processos básicos de formação de novas palavras: 1) a derivação, que consiste em formar uma nova palavra a partir de outra, com acréscimo de prefixos, sufixos, ou desinências verbais. É o caso de sextou e segundou, palavras que receberam o acréscimo da terminação verbal “ou”; 2) a composição, que consiste em juntar duas ou mais palavras ou partes de palavras (radicais) para formar uma nova. Exemplos: papamóvel; operação-desmonte.

A motivação para a criação de novas palavras pode vir da necessidade de nomear algo ou um fenômeno novo, mas também pode atender a uma função expressiva ou estética, como o fez Guimarães Rosa, na Literatura.

Neiva Tebaldi Gomes - Blog: https://blogscriptura.wordpress.com/
08/01/2020

 

 

Voltar


 


Acesso rápido: Curso de Escrita | Curso de Criação Literária | Oficina de Crônicas

Cursos de escrita desenvolvidos pelo Prof. Dr. Marcelo Spalding ou convidados - todos os direitos reservados